Chegamos ao paraíso com metade do dinheiro perdido no caminho

March 7, 2017

Dando início ao blog com um relato de um pequeno rolé que fizemos até a Praia do Sono, ao sul de Paraty - RJ nessa semana.

 

A praia já é bem conhecida, há pelo menos 12 anos ou mais que a frequento, antes mesmo de chegar luz elétrica por lá. Hoje a trilha tem acesso melhor e a praia já possui mais estrutura, incluindo casas e quartos para aluguel. Mas pra gente continua mesma coisa: onde der pra cair tá bom.

 Como sempre, nada foi planejado e a ideia do rolé começou numa mesa de bar (ou melhor, na mesa de casa mesmo) com um casal de amigos. Pronto, era o que precisava, bateu saudade da praia e no dia seguinte já estávamos arrumando as coisas.

 

Com aluguel atrasado e algumas contas em aberto, a unica merreca que tinha no bolso eram R$ 100,00 de uns corres que fiz no dia anterior. E já que isso não pagaria as contas, pelo menos o rolé tava salvo.

 

Tempo bom, barracas, rede, panelas, um arpão pra pesca e alguns mantimentos eram suficientes pra nos segurar durante os 3 dias e 2 noites na praia. Ah, e os R$ 100 (para o casal)...

 

O dia amanheceu e começamos a preparar as coisas. Eis que recebo uma porra de mensagem em inglês no celular: Hey, we will arrive at 11am.

 

Puta merda, eram duas irlandesas que eu havia concordado de recebê-las em casa através do Couchsurfing e havia esquecido. Foda-se, elas teriam que ir com a gente agora. As encontrei na rodoviária e expliquei o plano e as mesmas toparam na hora. Arrumei uma barraca extra (toda fudida) e agora éramos seis no total: eu e minha namorada francesa, uma amiga carioca e seu namorado também francês e as duas irlandesas que nunca vimos na vida.

 

Tudo pronto, a bordo da kombosa, partimos por volta das 14:30h num calor infernal e as irlandesas pareciam assar dentro do carro.

 

Subimos a serra de Trindade a 15km/h, velocidade maxima que a kombi 1971 conseguia atigir com aquele peso todo. Enfim, chegamos a Laranjeiras e a pimeira missão era encontrar uma vaga segura para a kombi, já que a mesma nem tranca as portas e vocês sabem que nesse lugares pode surgir um Highlander que saiba juntar dois fios no painel e faz ela voar até se quiser.

 

Como costume, todos os moradores que possuem um quintal cobram a diária de R$ 20,00 por carro para guardá-los. Mas estamos aqui falando de ecodurismo, e nada é fechado antes de chorar um pouco. E sempre dá certo, cada um  com seus argumentos e desculpas, chegamos ao acordo de R$ 25,00 os dois dias (dividido por 6 pessoas).

 

O acesso a praia é feito via barco (pago) ou trilha de 1h. Óbvio que optamos pela segunda opção sempre a desculpa esfarrapada: "ah a trilha é mais maneira, maior visu." Porra  nenhuma, é falta de grana mesmo. Já na primeira subida, olho pras irlandesas e me deparo com duas caras vermelhas, bufando e despenteadas e já imaginei logo: essas minas devem estar putas comigo. O combinado era elas chegarem de viagem e ficar la em casa de boa. Imagina quando chegarem na praia e ainda verem que a barraca que emprestei era muito fudida. Foda-se, seguimos.

 

Metade do caminho percorrido, hora de colocar as bagagens um pouco no chão e beber uma água.

 

Colin, o francês do grupo decide mijar, e deixa sua pochete (bem escrota por sinal) no canto da trilha. Todos dispostos novamente, e assim seguimos por mais uns 20min. Eis que ecoa a seguinte frase: "Carraille, mon pochete" (sotaque francês). Começou a merda ai. O casal (carioca e francês) largaram as bagagens e voltaram correndo em busca da pochete perdida. Tarde demais, pois havia passado um casal e uma família no sentido contrário da trilha e alguém estaria essa hora voltando pra casa com um celular e mais R$ 250,00, e inclusive com a própria pochete escrota do francês.

Minha namorada e as irlandesas seguiram sozinhas para finalizar a trilha e eu aguardei o casal retornar com a noticia triste.

Com lamentações, seguimos a trilha. Eu com meus R$ 100, pra ainda dividir com minha namorada já achava que estava na merda, imagina o casal que acabara de perder tudo... mas foda-se, não desistimos e finalmente chegamos ao destino. Bagagens ao chão e mergulho no mar pra tirar o suor da trilha.
 

Agora era partir pra próxima missão: achar um lugar pra cair e se virar pra comer. Isso vou contar no próximo post do blog.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Publicidade
Leia outros posts
Please reload

Tá Duro?

Pague menos ao viajar. Clique e confira!
Hostels
Equipamentos
Passagens
Aéreas
Passagens
Ônibus
Alugue
um quarto
Pacotes
Alugue
um carro
Peça uma
carona
Apoio
  • Facebook - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Twitter - Black Circle

© 2017 Eco Durismo - Brasil

Sea to Summit
Sorano
Camelbak
Mochilas Deuter